19 agosto, 2014

Aterragem Faro (crise)




Moonspell - Luna


O meu nome é Duke.
Este é o meu mundo.
Aterramos em Faro, Portugal pertencente á Comissão Europeia, membro da Parceria Internacional para a Economia do Hidrogenio (IPEH).
Viemos ver como os maus investimentos e a crise na Europa afetou as populações que aqui habitam.
O local de escolha de milhares de pessoas que aqui vêm passar ferias é hoje o espelho partido dum pais vendido ao desbarato, em troca do seu sonho europeu.
Nem Petroleo barato por aqui existe.
Nas estradas esburacadas e de taxas elevadissimas, circulam as pomposas maquinas dum tempo que se diz será o futuro.
Autocarros a Hidrogenio por aqui nada, Falou-se no assunto a anos atrás, mas foi só isso.


Ceara Vermelha

A lua  cheia amarela grande ilumina o céu e o seu reflexo tremulo vê-se espelhado nas aguas da ria Formosa.
 A silueta da cidade ao longe é nitidamente visivel. 
 Os grilhos ainda cantam neste final de verão atipico. São 21h00 e já se sente frio.
 Volto olhar a lua que vai aparecendo e desaparecendo por entre as canavieiras (erva graminácea Arundinaria Canavieira) do canavial que cresceu entre as tabaibeiras (Opuntia Ficus Indica). Por outro nome Figueira da India que têm frutos amarelos cheios de picos pequeninos.
 É esta estrada de terra que percorro entre o aeroporto e a cidade de Faro.
 Volto a olhar a lua.
 - No emisferio sul quando nasce a lua é bem maior.
 Um pensamento sai, fica entre a vontade ou a necessidade que tenho de escrever. Vou recuperando do esforço empreendido a correr.
 Mais á frente já na estrada do montenegro chego á passagem de nivel da linha ferria. Viro á direita e lá esta o motivo da discução publica.
 O acesso ingreme junto á linha que liga a estrada do Montenegro ao novo parque da cidade construido para a pratica do desporto e lazer.
Ingreme hoje, porque antes havia ali uma ponte sobre o ribeiro e um caminho em terra entre a linha ferrea e o terreno privado.
 Na ultima semana envolvi-me na descoberta do que se passou para termos chegado á tal situação degradante e nojenta em que não podemos passar dum lado a outro.
 A situação degradante do caminho provem dum conflito entre a camara municipal e o dono do terreno privado.
 A uma semana quando cheguei a esse acesso proveniente do parque deparei-me com uma grelha de ferro soldada entre a rede que separa o parque da linha ferrea e a casa degradada ali existente. Degradada não abandonada, pois o proprietario deixou bem claro que não havia abandono da propriedade. Além da mandar soldar a dita grelha de ferro cavou uns buracos ao longo do caminho que havia sobre a sua propriedade.
 Após conversar com um expositor da Americam Cups que tirava fotos ao malogrado caminho todo esburacado, resolvi envolver-me na luta pela recuperação do acesso. Compremeti-me a ir á RTP, canal de televisão publico denunciar a situação. Quem sabe não dá um boa noticia e alavanca a solução para o acesso que virou charco.


Neste texto que se segue falta referir os 500 metros da vergonha que nunca foram executados, porque o interesse privado se sobrepõe ao interesse de todos. Até quando vai ficar aqueles metros para concluir?
Vou já, correr para lá. Vai que alguém se lembra de interditar uma vez mais aquele pedaço de caminho.
Vergonha!!!

Faro: Parque Expo ganha plano estratégico frente ribeirinha


A Câmara de Faro aprovou quinta-feira a concessão à Parque Expo do plano estratégico para a frente ribeirinha da cidade, que deverá estar concluído até ao fim do ano, disse hoje à Lusa o presidente da autarquia, José Apolinário. Com um orçamento de 198 mil euros, o projecto prevê a elaboração de um plano para toda a frente ribeirinha entre o Bom João (a nascente) e a zona por trás do antigo centro comercial «Faro Shopping», junto à entrada oeste da cidade.

A decisão foi aprovada por maioria, com os votos favoráveis da maioria socialista e a abstenção da única vereadora do PSD presente (os sociais-democratas têm dois representantes no executivo) e do vereador independente José Vitorino.

Sublinhando que não se trata de um concurso de ideias mas de um plano estratégico que tenha em conta os condicionalismos existentes naquela zona da Ria Formosa, José Apolinário observou que a decisão final será política e competirá à Câmara.

«Não se está a dar nenhuma carta branca à Parque Expo, porque o comando político funcional do projecto competirá depois à Câmara», precisou o vereador, adiantando que o plano estratégico será anterior aos planos de pormenor para aquelas zonas.
No caso do Bom João - onde se encontra o cais comercial da cidade, uma zona industrial desactivada, depósitos de combustível da Galp e um bairro degradado, a Horta da Areia -, Apolinário sublinhou que, após a conclusão do trabalho da Parque Expo, a autarquia recomendará um concurso de ideias para o local.
«Naquela zona, veríamos com bons olhos um projecto privado com construção de baixa densidade e uma zona de lazer com um porto de recreio», defendeu.
O autarca afirmou que nos últimos meses chegaram ao município vários projectos de gabinetes de arquitectura para aquela zona, a nascente de Faro.
Trata-se de uma zona que deverá ser financiada por privados«, adiantou, observando que »isso não significa que haja um grande índice de construção«.
O autarca socialista sustenta que na zona se deverá manter o cais comercial e deverá ser construído um porto de recreio »que aproveite os oito metros de fundo do canal de comunicação entre o mar e a Ria Formosa«.
A retirada dos depósitos da Galp e a descontaminação dos terrenos deverão ser dois passos mais importantes para a transformação da zona, adiantou, sem querer calendarizar a concretização dos projectos.
Já quanto à restante zona ribeirinha, entre a actual doca - que deverá sair da sua localização actual, para o »exterior« da via férrea - e o Patacão, José Apolinário prevê que a remodelação estará concretizada até 2013.
»O Governo comunicou-me que a Administração Central vai apresentar uma proposta de requalificação da Ria Formosa às Câmaras de Faro, Loulé, Olhão e Tavira, no âmbito do Polis XXI, em que se enquadra essa zona«, concretizou.
Adiantou que a autarquia espera agora a concretização do projecto por parte do Governo, que propõe um capital de 80 milhões de euros para essa sociedade, entre autarquias e Executivo, através da empresa pública Parque Expo.



Diário Digital / Lusa



É muito importante irmos acompanhando este processo, para mim um dos projectos mais importante desde há muitos anos em Faro, até porque depois virá a discussão pública e espero que os leitores do Faro a fundo e da Defesa de Faro possam contribuir com as suas opiniões e sugestões, que não sejam únicamente os politicos a pensar a nossa Cidade.Este deve ser um projecto transparente onde para começar se deveria saber quem são os proprietários de todos os terrenos que vão ser envolvidos nesta frente ribeirinha. adf

Aterragem Faro



Meu nome é Duke.

Este é o meu mundo.
Hoje sai e cruzei com um autocarro elétrico, nada de novo para mim. Mas para esta cidade sim.
Alguns anos atrás a (PIEH) através da Comissão Europeia integrado num programa de desenvolvimento e proteção do ambiente oferecia á cidade de Faro 2 autocarros a células de Hidrogênio a custo zero.
Os autocarros foram recusados pelos responsáveis da câmara municipal, o fundamento em que se baseou a recusa desconheço.





Na cidade do Porto que fica no norte de Portugal pelo contrário aceitaram outros 2 autocarros. Alguns anos depois um dos autocarros foi devolvido e o outro foi parar ao museu, mal menor.
A causa da devolução foi dificuldade no fornecimento do Hidrogênio. Desculpa estranha pois o módulo de produção de Hidrogênio estava incluído, tendo a Air Liquide como parceira.
Passado 4 ou 6 anos a cidade do Porto enche-se de autocarros elétricos a baterias e Faro segue-lhe a pisada.
O preço a pagar por este investimento é de milhões de euros, pois além do preço elevado destes veículos, acresce o tempo de carga das baterias 6 horas e a sua autonomia que não ultrapassa os 120 km o que para um autocarro de passageiros é muito pouco. Enfim investimentos que lesam os contributos portugueses.
Não se trata apenas de encher as cidades de carros elétricos. É todo um investimento num novo conceito de mobilidade em que várias firmas de transporte, seja particular ou público tem de ser coerentes com os meios que realmente têm. Só dizer que o carro elétrico é rentável a longo prazo não chega, pois a vida útil destes não ultrapassa os 5 anos devido á curta vida das baterias.
E depois vão pedir dinheiro ao estado para as substituir?
A tecnologia pode até ser muito catita toda cheia de pormenores e adereços eletrônicos, mas será que realmente o preço da matéria prima disponível e as barreiras da física permitem o seu uso de forma sustentável para a larga maioria da população? Ou teremos uma cidade de mobilidade elétrica e a sua população na miséria?
Enquanto nas smart cities poderemos resolver o problema do estacionamento reservando o nosso lugar antecipadamente através do smartphone, nas por citeis os cidadãos viveram na miséria sem eletricidade.
 Quanto maior o número de veículos elétricos maior o consumo elétrico, se o consumo sobe a sua escassez torna o produto mais caro, como a produção de eletricidade tem um limite, será difícil conjugar o interesse de uns, sem prejudicar os outros.
Pense nisto que escrevi porque o passado mais terrível esta ai para cobrar o seu preço.


Terceiro ano do segundo ciclo solar
Estou escrevendo este artigo porque hoje alguem falou-me o seguinte

Vi um bebé hoje, lá no trabalho, acenei-lhe assim com a mão e ele começou a rir-se de felicidade.

O oceano Atlântico no seu azul que vai esbranquiçando em direção á costa.
A praia de Faro hoje é uma península ligada á terra pela parte ocidental. Mas um dia já foi uma ilha, basta olhar para oriente. A duna engrossa na sua cor amarelada. Depois o dourado da areia é interrompido por um curso de agua. Uma extensa lagoa marinha enche a nossa vista duma beleza esplendorosa. Outras ilhas como a do Farol se seguem definindo a linha da costa que forma o Golfo de Cádiz, até a entrada dor mar Mediterrâneo.
A ria Formosa uma imensidão de canais e lagos que serpenteiam por entre as varias colinas, formam uma segunda linha de costa. Com a sua cor umas vezes mais verde, outras mais azul, os lagos e canais estão cheios de vida. Entre a algazarra das aves e a azafama dos cardumes que cruzam as aguas, uma imensidão de moluscos vive no fundo lamacento. Plantas aparecem e desaparecem, submersas com a subida e descida das mares.
A maré esta cheia o que torna a visão de aterragem ainda, mais cheia de brio. O aproximar parece levar-nos a fazer um amaragem na agua calma da imensa lagoa que contrasta com o mexido ondular das ondas na praia da Ilha de Faro.
No sopé da colina mais próxima o aeroporto. Ladeado na cabeceira ocidental por uma mata de pinheiros que junto as aguas albergam, comunidades de patos, flamingos, corvos marinhos e lontras. As formas retangulares dos poços das salinas onde vivem vão diminuindo, no seu ficar para trás.
Num virar á direita atravessamos o espaço aéreo do aeroporto em direção á gare de telhado ondulado. Alguns aviões parados estão a ser preparados por pessoas que minuciosamente manobram veículos de abastecimento. Aproximamo-nos da torre de controle o suficiente para lá dentro vermos o controlador de trafego fazer-nos o gesto com as duas mãos esticadas, para a sua esquerda, sempre em frente.
Para nós, direita, contornamos o edifício gare do aeroporto pela esquerda. Aproximamo-nos da entrada, sobre o olhar atento das muitas pessoas que olham para cima.
O parque de estacionamento de veículos ainda não tem condições para nos receber. Postes e cabos de iluminação dificultam a progressão. Falta tudo, sinalizadores de controle de estacionamento. Marcas visuais luminosas e refletoras de posição. Abastecimento inexistente.
As pessoas ocorrem para nos ver, se possível tirar uma foto.
Autocarros de Hidrogénio, nem vê-los.
O projeto de autocarros a Hidrogénio para a cidade do Faro a alguns anos atrás foi cancelado. Motivo falta de um fornecedor de Hidrogénio. A oferta de autocarro a Hidrogénio para a cidade do Porto teve um motivo idêntico.
- Desculpas apenas e má vontade. Quem fornece os autocarros também fornece todo o equipamento para obter o hidrogénio.
- O projeto de geotérmica no centro do pais, foi abandonado, cortaram o financiamento.
- Geotérmica por aqui nunca ninguém viu, só existe lá longe nos Açores.
- O desinvestimento é nítido, as infraestruturas são do tempo da energia barata. Estão mal conservadas. A presença de instituições do estado é inexistente.
- Mas isto sempre foi assim?
- Sim! Ouve um tempo em que isto foi diferente, apenas porque foram obrigados pelos ingleses e americanos, no apertar da segurança contra o terrorismo.
- Vamos então a esse tempo perceber porque esse tempo foi tão escasso e curto.
Nono ano do 1. Ciclo Solar, segundo governo de Socrático.
Após a segunda vitoria, desta vez minoritária o segundo governo de Socrático tinha queda anunciada.
Estava aberta a teoria da conspiração.
Mas quem realmente empurrou o pais gráfico abaixo?
 Vivíamos um tempo em que ainda era possível investir.  O governo de então, canalizou todos os recursos financeiros disponíveis, para despolir o pais e atingir a meta ecológica definida no protocolo de Quioto.
 Investiu-se na educação, formação de técnicos conhecedores das novas tecnologias.
 Disponibilizou-se recursos financeiros através de subsídios ás energias renováveis. 
 Passou-se para a substituição da frota automóvel e transição progressiva para os veículoseletricos. Foi aqui e só aqui começou o inicio dos problemas.
 Analisemos a situação especifica dos veículos do estado que rondavam os 130.000. Lembremos que a despesa de combustível aumentou vertiginosamente. A causa: o barril do petróleo ultrapassara a barreira dos 80 dólares e fixara-se na casa dos 100 dólares ao barril.
 O governo Socrático, pediu um estudo a uma empresa sobre a possibilidade de redução e restruturação da frota de veículos do estado português. 
 O estudo ao qual eu tive acesso, propunha uma redução aproximada de um terço da frota.
 Não vou pormenorizar como seria feita a restruturação da frota. O que me interessa é saber que um terço aproximadamente 40.000 veículos consomem um valor médio diário de 50 euros, cada. 50 a multiplicar por 40.000 dá a módica quantia de 2.000.000 euros diários. Dito assim nem parece alarmante, mas se multiplicado por um ano, 365 dias. 730.000.000 euros é muito dinheiro.
 Dava para construir uma pequena central geotermica.

 Um montante global de investimento de cerca de 20 milhões de dolares, foi o valor gasto na central geotermica do Pico Vermelho da ilha Terceira.
Apresenta-se com uma Sistema single flash dotado de turbina de contra-pressão e com uma capacidade de produção de 1 x 5 MW capaz de apresentar um caudal de vapor que se eleva a cerca de 56 toneladas hora e uma pressão de admissão de 6 bar.


Meu nome é Duke. Isto é o Sky Car. Esta são Cidades do Hidrogenio e da Geotermica O trabalho apresentado neste blog, é um estudo de nichos sociais existentes em muitas das cidades visitadas. Muitos dados estão incorrectos, precisam de confirmação científica. Outros dads seguiram rigorosos critérios de investigação por muitos dos autores, a quem agradeço pelo seu trabalho. Peço desculpa por qualquer erro, baseado nas traduções do que eu escrevo aqui. Pois o meu conhecimento linguitico sobre tais linguas provem do tradutor do Google. As marcas apresentadas aqui tem todos os direitos sobre invenções ou trabalhos científicos citados. A cópia ou reprodução é punível nos termos da lei do país em que o crime de plágio é cometido. Obrigado ... Mid Night Duke ... ...


 The work presented in this blog, is a study of existing in many of the cities visited social niches. Many data are incorrect, need scientific confirmation.  Other dads followed strict criteria investigation by many authors, whom I thank for their work.  I apologize for any error, based on translations of what I write here. For my linguitico knowledge of such languages ​​comes from Google translator.  The marks contained herein has all rights to inventions or scientific papers cited. Copying or reproduction is punishable under the law of the country where the crime is committed plagiarism. Thank you ... Mid Night Duke ...




Nenhum comentário:

Postar um comentário

midnightduke8 procure este none no Google
Find in the Google this name midnightduke8

(PIEH) Parceria Internacional para a Economia do Hidrogênio
(IPHE) International Partneship for lhe Hidrogen Economy